Skip to content

O que não te contam quando você vai morar em outro país

02/05/2018

Você vai sentir medo, vai achar que tomou a decisão errada e, em alguns momentos, vai pensar em desistir e vai querer voltar, principalmente quando as maiores pedras atrapalharem o seuIr morar em outro país é o desejo de muita gente, já que essa pode ser a oportunidade para aperfeiçoar um idioma, conhecer pessoas diferentes, crescer em todos os sentidos da sua vida e enriquecer a sua bagagem cultural.  Mas, ainda que sejam muitos os conselhos dos amigos e pessoas próximas que te incentivam a largar tudo e se jogar, acredite, a decisão de partir não é tão fácil assim. Além disso, mais que ir, quando o assunto é viver fora, há coisas que ninguém te conta e você só aprende quando você já está partindo ou já partiu.

Já viajei para fora do país 4 vezes, mas essa última, em que realmente viajei para me mudar, foi completamente diferente. Pensando nisso, resolvi compartilhar a minha recente experiência, contando 5 coisas que só aprendi quando pousei em terras não brasileiras, mas que ninguém havia me dito antes, e que podem ajudar outros corajosos como eu que estão pensando em criar asas e voar.

  1. A decisão. Decidir largar tudo é para os fortes. Eu larguei tudo em meus país para me aventurar mundo afora. Me desliguei de emprego e uma carreira sólida após anos de estudos e especializações. Deixei para trás família e todo o conforto e comodidade que meus pais ofereciam. Dei tchau a amigos e pessoas queridas. E, mais que isso, dei adeus à minha zona de conforto e à vida que levava anos e anos. Por mais que a vontade de ir seja grande, quando o momento de desocupar a mesa do escritório que foi sua por tantos anos chega, você vai se questionar se tomou a decisão certa. E, a cada despedida, essa dúvida vai voltar a martelar na sua cabeça, pois a apreensão de não conseguir trabalho, dinheiro e de não se adaptar é enorme. Mas, calma, é normal sentir medo nessa hora. O que você pode tentar fazer é não se esquecer de que viverá as melhoras experiências da sua vida. E trabalho, acredite, aparecerá. Eu mesma, em duas semanas, já consegui um trabalho em uma multinacional e vou atuar na minha área de formação.
  1. Uma vida em umas poucas malas. Pode parecer mentira, mas fazer as malas, por mais que seja um desafio tremendo transferir a sua vida em alguns quilos de bagagem, é a parte mais fácil. Na hora de colocar seus itens, leve aquilo de mais essencial. Sei que é difícil deixar aquele sapato que você tanto gosta, mas pergunte-se se ele seria confortável para as tantas estradas que você vai percorrer em distintas paisagens. Ao se fazer essa pergunta, o desapego é mais fácil. (Sim, confesso que sofri muito em deixar livros, saltos e objetos pessoais que tanto gostava).
  1. O até logo. Um dia antes de viajar eu dormi mal e tive várias sensações, de euforia à tristeza. No dia que decolei, sentia frio e calor ao mesmo tempo por causa da ansiedade. Porém, nada disso superou o momento mais difícil, dizer “até logo” à minha família.  Antes de embarcar, aproveite os milésimos de segundos durante aquele último olhar, o último abraço, as últimas palavras e o último beijo que trocará com seus pais e sua família. Pode apostar, essas serão algumas das demonstrações de carinho que você se lembrará com mais intensidade e que jamais sairão da sua memória.
  1. As primeiras impressões. Chegar em um país que não é seu, agora como não turista, dá uma tremenda insegurança e, ao mesmo tempo, te deixa mais corajoso para se virar, porque você não tem medo de perguntar como se chama tal coisa na língua local e não tem vergonha de dizer “eu não entendi”. Esta última parte, por exemplo, por mais que você domine o idioma do país que vai viver, pode apostar que serão vários os momentos que vai se sentir mal por não compreender algumas frases. Mas, lembre-se, é perguntando e estudando que se aprende e, com o passar dos tempos, seu ouvido já estará acostumado com aquele “cachai” que tanto escutava antes e não compreendia.
  1. O desafio da ausência. Para mim, essa é a parte mais difícil, já que, quando se mora em outro país, por mais que a tecnologia esteja aí para te ajudar a se aproximar de quem gostamos, é doloroso perder aquela reunião familiar,  não receber aquele abraço apertado e não poder recorrer ao colo da sua mãe quando você precisa. Enquanto você recomeça a sua vida em um país no qual os desafios são diários (diria que a cada hora é uma nova superação), muito maiores e muito mais intensos, a vida de quem deixou em sua terra natal segue mesmo sem você e é isso que você deve pensar quando a tristeza e um pequeno arrependimento baterem.

Por fim, se pudesse dar um conselho àqueles que estão com a dúvida de largar tudo e ir se aventurar em novas terras, eu diria: vá! Crie asas e voe! Você vai sentir medo, vai achar que tomou a decisão errada e, em alguns momentos, vai pensar em desistir e vai querer voltar, principalmente quando as maiores pedras atrapalharem o seu caminho. Mas, saiba que a sensação de superação a cada desafio diário, o aprendizado, as novas pessoas que conhecer, a nova cultura, a nova língua que vai falar e a cada suspiro que vai dar quando seus olhos verem paisagens de tirar o fôlego e a cada minuto de felicidade que essa etapa te proporcionará serão muito maiores que esse sentimento que tanto te impede de voar.

Siga essas 5 etapas e voe, meu amigo! O mundo é muito grande para estacionarmos em um só lugar!

Anúncios

Em poema e rimas: o que é viajar?

13/03/2018

Viajar é fazer roteiros e traçar novas rotas,

é atravessar estradas retas, curvas e tortas.

é abrir uma, duas e inúmeras outras portas.

 

Viajar é dar um tempo a tudo aquilo que te sufoca.

É respirar vários tipos de arte, seja clássica, moderna ou barroca.

É estar preparado para dias de vinhos tintos e, nos momentos de pindaíba, só poder tomar coca.

_Viajar é muito mais soma que subtração.Você retorna mais rico, mesmo sem um centavo em sua mão_ (6)

Viajar é iniciar novos capítulos e escrever novas histórias.

É sentar na janelinha para novas trajetórias

e ter a certeza que viverá experiências satisfatórias.

 

Viajar é sentir um friozinho na barriga,

é entender que tudo no mundo se interliga

e saber que, mesmo em meio a dificuldades, quem te ama quer que você prossiga.

 

Viajar é se abrir, se descobrir e se permitir.

É rir, florir e colorir.

É poder pintar os caminhos que percorre e, depois, mesmo cansado, alegre dormir.

 

Viajar é ter várias camas e, ao mesmo tempo, não ter nenhuma.

É morar em outras casas, mas não ter se quer uma.

É se desapegar de tudo, inclusive do travesseiro de pluma.

 

Viajar é auto conhecimento.

É a melhor maneira de descobrimento,

e vale muito mais a pena que gastar com uma festa de casamento.

 

Viajar é pertencer a todos os lugares.

É se encantar com a cor de todos os mares.

e poder sentir e respirar novos ares.

 

Viajar também é realizar sonhos.

É viver os contos mais risonhos

e nunca ter dias enfadonhos.

 

Viajar é a arte dos encontros e desencontros.

Dos amores e desamores, seja seus ou dos outros.

 

Viajar é fazer a mala e ir embora.

É ser protagonista e também testemunha de idas e partidas a cada hora.

Viajar é deixar para trás o passado e viver o hoje e o agora.

 

Viajar também é sentir saudades e deixar que os olhos transbordem de emoção.

Mas, você sabe que viajar é muito mais soma que subtração.

Você retorna mais rico, mesmo sem um centavo em sua mão,

porque viajar é a experiência mais incrível que renova a alma, abre a mente e aquece o coração.

Esqueça tudo o que você já ouviu sobre o amor

21/01/2018

“Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar?” Já questionava o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, sendo um dos tantos artistas que usou o tema amor como inspiração para produção de grandes obras.

Amor está em tudo que vemos, tocamos, falamos e sentimos: música, cinema, gastronomia, trabalho, laços familiares e de amizade, natureza… Em tudo que há vida, não há como não existir amor.

Mas, o que precisamos parar, de uma vez por todas, é de pensar que para amar há regras e roteiros. Por isso, esqueça tudo que você ouviu sobre o assunto. Sabe aquele romance lindo de que a mocinha conheceu o mocinho, esperou meses para aceitar seu convite para um jantar romântico, mas, após aceita-lo, se apaixonou completamente e viveram felizes para sempre? Ou então aquele caso quase que impossível de acreditar, já que o melhor casal que você conhece foi formado graças a um aplicativo? Então, essas são histórias únicas e particulares e não devem ser usadas como um padrão ou ‘exemplos’ a seguir para que, finalmente, com você o amor dê certo de uma vez por todas.

Sabe aquele julgamento ou conclusões alheias de que não dá certo um amor entre duas pessoas do mesmo sexo? Não é possível um relacionamento vingar quando os dois não moram no mesmo país? É impossível duas pessoas de idades tão díspares se amarem? Blá, blá, blá? Quem disse que não?

O amor não tem regras, não tem roteiro, não tem fórmula mágica. Ele é universal e acontece quando tem que acontecer e, acredite, vai te mostrar que é muito além de tudo que você

Quando a gente é pego por esse sentimento puro e inexplicável, movemos montanhas. Fazemos dar certo, porque simplesmente queremos isso. O amor nos ajuda a sermos mais práticos e destemidos, além de contribuir para que sejamos pessoas mais leves e melhores conosco e com os demais.

Ele não tem regras, não tem roteiro, não tem fórmula mágica. O amor não é unilateral. O amor não tem preconceitos. Ele é universal e acontece quando tem que acontecer e, acredite, vai te mostrar que é muito além de tudo que você já ouviu um dia…

Paulo Basualdo, ese texto es para ti ❤

2017: o ano que decidi mudar!

30/12/2017

Sempre ouvi que, na vida de uma pessoa, há um ano divisor de águas. Aquele período marcado por ser responsável por finalizar etapas para que novas, na maioria das vezes, totalmente diferentes, se iniciem. Dizem que esse processo de transformação faz com que sua vida mude da água para o vinho. Pois bem, se existe um ano que encerrei capítulos para começar um novo livro, esse ano, sem dúvidas, é o de 2017.

Confesso que eu era uma pessoa que tinha medo de mudar. Toda vez que precisava iniciar algo totalmente novo e distinto do que estava habituada, criava mil teorias na minha cabeça, das quais me assustavam e me afastavam, cada vez mais, das mudanças que batiam à minha porta. E, para evitá-las, ia ficando ali, escondida na minha zona de conforto, até porque, quem, assim como eu, não acha (va ) que assegurar o emprego que te paga as contas todo mês é mais garantido do que jogar tudo para o alto e ir atrás de novos horizontes, sem saber se vai dar certo ou não?

Mas, o que seria de nós se não existissem as incertezas? São elas que nos abrem os olhos para analisarmos se não estamos mesmo na zona de conforto e são esses questionamentos que nos impulsionam a querer mudar.

Viajantes

E foram justamente as dúvidas, e as coisas que 2017 me trouxe, que decidi ir atrás de novos desafios, pessoais e profissionais; sair das asas dos meus pais; mudar de rotina; de vida e, finalmente, tomei a decisão que há anos adiava: decidi mudar de país. Sim, vou fazer o que sempre sonhei: respirar novos ares, explorar outras oportunidades e vou me permitir ter as melhores experiências que uma pessoa pode querer ter.

Mesmo dizendo tudo isso, abro meu coração ao dizer que, mudar não é tarefa fácil. É necessário muita coragem para deixar para trás coisas, histórias, legados e, também, pessoas. É preciso saber que sua vida seguirá outro rumo e, se você não se desapegar do que vai deixar, tende a não conseguir viver tudo que o novo vai querer te oferecer.

Mudar requer decisões pensadas e planejadas, mas também exige que você simplesmente vá! Agora, posso dizer que estou pronta e, se puder dar um conselho a você, que está na dúvida hoje, diria: pule, se jogue, permita-se e deixe a mudança chegar e entrar!

Tudo sobre a minha irmã

17/06/2017

sista

Em uma tarde de uma semana fria, perguntei à minha irmã:

– Você leu meu último texto?

– Li.

– Gostou?

– Sim, mas ia gostar mais se eu estivesse na história.

E foi isso, uma leve cutucada e sutil cobrança, que me levou a escrever esse texto.

Pode ser que você, leitor, se identifique em vários pontos, principalmente se tiver uma irmã ou irmão mais nova (o).

Quantas pessoas fazem você se sentir importante, sincera e confortável? E, melhor, quantas trazem, em você, a sensação de que há sim sentimentos puros e verdadeiros, que ultrapassam o tempo?

São poucos, não é mesmo?

No meu caso, eu contaria nos dedos de uma mão. E, uma delas, sem dúvidas nenhuma, é a minha irmã caçula.

Minha irmãzinha, quando pequena, era manhosa e chorona. Fazia de tudo para nunca levar a culpa, ou melhor, para jogá-la em mim.

Foi quem mais dividiu brincadeiras comigo na infância. As tardes, eram um mix de brincar de Barbie e assistir filmes da sessão da tarde.

E como nos divertíamos. Brigávamos, claro, mas, como qualquer briguinha boba de irmãos, em poucos minutos já voltávamos a nos falar como se nada tivesse acontecido.

Acredito que ela me via como a pessoa que podia defendê-la na escola e, por causa disso, não saía do meu pé. No intervalo, sempre vinha até mim e meus amigos com aqueles olhos grandes e esverdeados e um sorriso tímido. Não era preciso ouvir uma palavra pronunciada por ela. Bastava olhá-la para saber que ela queria ficar ali, comigo.

Aliás, seus olhos diziam muito. Quando não estava bem. Quando queria chorar. E até alertavam quando estava doente. Aliás, até hoje, basta olhá-la que sei quando algo não vai bem. E é ela por quem eu viro uma fera. Que eu morro de ciúmes e por quem eu não meço esforços para ver feliz.

Sempre compartilhamos tudo. Os segredos, as vontades, os sonhos e as decepções.

Até um determinado tempo, compartilhávamos, também, o mesmo quarto. E, mal sabia eu que, quando ganhássemos um quarto para cada uma, sentiria tanta falta da bagunça dela.

Mas, isso não impediu que fizéssemos o que a maioria dos irmãos faz: quando um está com medo ou se sente sozinho, corre para o quarto do outro. E, vou te falar: é reconfortante.

Minha irmã, meiga quando pequenininha, na adolescência, foi construindo sua própria personalidade, a qual ilustra uma mistura de força e bravura.

Ela é uma das pessoas mais bravas que conheço. Não à toa, quer seguir uma das carreiras que mais exige uma postura como essa. É também uma das mais sinceras e diretas com quem convivo. Daquela que fala o que pensa, doa a quem doer. E olha que, na maioria das vezes, dói, viu?

Hoje, já uma mulher linda e destemida, é completamente decidida e firme. Quando estou com ela, me sinto segura para abrir meu coração e contar tudo que não tenho coragem de contar a outrem.

Admiro seu empenho e determinação, o que a fazem conquistar tudo o que quer por esforço próprio. Minha irmã não é do tipo que demonstra afeto e carinho. Apesar de ser uma pessoa mais fechada, não é preciso trocarmos um único abraço para saber dos seus sentimentos. Basta tê-la ali, do meu lado.

Toda vez que conversamos sobre o futuro, apesar de ainda morarmos no mesmo teto, é engraçado e até um pouco assustador. E também lembrar que um dia não vamos mais poder correr para o quarto da outra quando sentirmos vontade, já que, como tudo na vida, uma hora cada uma seguirá seu rumo e constituirá sua família.

Irmãos são pessoas importantes para nós. Agradecer a Deus todo dia por tê-los em nossa vida é pouco. São eles quem conhecem nossos pais tão bem quanto nós. São eles, também, que nos conhecem até melhor que nós mesmos.

Irmão é uma parte de você. Por vezes, totalmente diferente, mas, que te completa, te entende, te ouve, te olha com confiança e camaradagem e, o mais incrível, te ama de um jeito único, como ninguém.

Por isso, contar tudo sobre você, minha irmã, é difícil. Mas é fácil você saber o quanto eu te amo. Obrigada, por tudo, tudo e tudo….

14 coisas que um (a) escorpiano (a) gostaria que você soubesse

03/05/2017

Você que teme, ama ou odeia e, principalmente, interpreta mal o que é ser uma pessoa de escorpião, preste atenção, esse texto foi feito para você. Você acha que conhece, ou gostaria tentar entender, um nativo deste signo? Então leia com calma o que um (a) escorpiano (a) desejaria que você soubesse sobre ele (a).

1. Vingativos? Para começar, é bom deixar claro que algumas coisas e famas que colocaram em cima de nós, pobre coitados escorpianos, são muito das erradas. Primeiro, de onde surgiu o boato de que somos vingativos? Eu, realmente, não acho.  Não é porque a pessoa errou conosco uma vez e  podemos desculpar, fingir que tudo bem e que já passou, mas, basta a primeira oportunidade, e lá estamos nós jogando na cara, no corpo, e em tudo que for permitido, o passado frio, direto e reto para que a pessoa tenha um remorso e uma vergonha inenarráveis ao lembrar do vacilo que ela deu, que isso significa vingança.images

2. E essa fama de que somos desconfiados? Que coisa, só porque sempre achamos que o assunto na roda da mesa ao lado é a nossa resposta torta e seca dada ao amigo inconveniente, quando na verdade, estão é falando de como a comida é boa.

3. Sem muitas delongas. E falando em direto e reto, ok, a gente confessa que, ôoo signozinho que não tem papas nas línguas. Fala o que vem à mente, chegando a ter fama de grosseiro na maioria das vezes. Mas, coitados de nós, quantas vezes nossa boca solta, por impulso, algumas coisas que logo nos fazem nos arrepender?

4. Impulsivos? O que é isso? Só porque a gente não sabe brincar de má
gico equilibrista? Se for chorar, vai chorar rios. Se for rir, vai rir até doer a barriga. Se for amar, não vai amar pela metade. Imaginaaaa!

5. Amor puro e uma dose de intensidade. E olha, nem entro no ponto ‘amor’, porque renderia um texto só sobre isso, já que, apesar de completamente reservados e cautelosos ao se entregar, quando nos entregamos, pronto, já estamos amando e doando os órgãos pela pessoa amada. Sim, escorpião não sabe fazer nada pela metade, é verdade! Tudo tem que ter uma dose de intensidade ao cubo, se não nem tem graça. Mas, não ache que isso é uma coisa ruim, por favor.

6. Mistério? Opa, claro que a gente a-do-ra! Essa é uma das coisas que mais atrai uma pessoa nativa desse signo. Adoramos mergulhar em tudo que não nos é dado às claras. Gostamos de desafios, de coisas a investigar e tudo aquilo que nos intriga. O que é fácil, meu caro, a gente nunca quer.

7. Os olhos falam. Agora queremos saber: por que é que vocês nã
o conseguem nos encarar quando penetramos nosso olhar profundo nos inocentes olhinhos de vocês? Sim, adoramos fazer isso. E pode ter certeza, também, é através dos olhos que conseguimos mergulhar na alma e no lado mais obscuro de uma pessoa. Os olhos falam, não sabiam? E nós, como ninguém, conseguimos ler e traduzir o que eles sempre nos dizem.

8. Frio e calculista? Doce engano! O escorpiano é muito mal interpretado. Na verdade, por ser muito sensitivo e completamente desconfiado, ele nunca se entrega e se mostra facilmente. O que ele gosta é só observar até que se sinta completamente confortável para demonstrar seus sentimentos. E, olha, não é fácil fazer com que ele demonstre isso, mas, o dia que ouvi-lo dizer ‘eu te amo’, acredite, é de verdade, pois nada, absolutamente nada que um escorpiano faz ou diz é falso.

9. Temos sim sentimentos. Parem também de falar que somos conquistadores! Isso é mentira, e das feias. Completamente leal e fiel, saiba que, quando o escorpiano  sente os sentimentos mais puros por alguém, ele é capaz de ir até o inferno ao seu lado, sem pensar nas consequências. Ele é daqueles que cumpre a promessa ‘na alegria e na tristeza’.

10. Apaixonado e romântico? Sim, o escorpiano adora demonstrar à pessoa amada que ela é importante e que ele ama ter sua companhia. Para isso, não mede esforços e usa de sua ilimitada criatividade de surpreender mágica e romanticamente seu parceiro.

11. Extremista? Sim, para o escorpiano não existe meio termo. Ou a gente gosta, ou não. Ou a gente quer, ou não. Talvez por ser tão decisivo e determinado, ele não esconde e não disfarça quando algo não o agrada.

12. Intuitivos. Agora um conselho. Jamais, mas jamais mesmo tente mentir ou enganar uma pessoa nativa em escorpião. Não há, como eles, alguém que tenha a intuição tão
aflorada. Antes que você pensou em inventar uma mentirinha, ele já está lá farejando algo errado. E olha, eles nunca se enganam.

13. Personalidade forte? Sim, é verdade. E, talvez por serem tão complexos, profundos, intensos e diretos, que os escorpianos são tão temidos e levam a fama de difíceis de lidar. Mas, se você tiver a sorte de ter uma pessoa de escorpião em sua vida e que gosta de você de verdade, agradeça, porque é uma lealdade sem explicação.

14. Sensíveis, sim! O escorpiano é completamente sensível, mesmo tentando, na maioria das vezes, não demonstrar isso. Se emociona fácil e de maneira bem intensa. Basta conhecê-lo um pouco melhor para perceber.

Depois de tudo isso, responda: realmente conhece ou sabe o que é ser um (a) um escorpiano (a)?

Às vezes, você só precisa se jogar!

24/03/2017

a-menina-que-salta-na-praia-com-baloes_1150-14

Em quantos momentos de nossas vidas deixamos passar oportunidades por medo de arriscar?

Quantas viagens prorrogamos? Quantos ‘não’ já demos porque o ‘sim’ parecia difícil demais?

E quantos bocas que não beijamos? Quanto sonhos que não sonhamos? Quantos olhares que desviamos? Quantos sapos engolimos por reprimir nossa vontade de se posicionar?

Esse sentimento de dúvida de ‘agora é o momento?’, ‘será que devo?’, ‘e se?’ ronda a vida de todo mundo, mesmo a dos mais desencanados e desinibidos.

Mas, a diferença entre eles é que o medo não consegue sufocá-los. A dúvida pode sim vir, mesmo que passageira, e confundir algumas coisas, mas, a aflição de se decidir e se jogar para a aventura da vida não faz parte de quem sabe que é se jogando que escrevemos nossas melhoras histórias.

Preste mais atenção nos sinais que o cara lá de cima te dá! Por vezes, não são apenas só simples sinaizinhos sutis e sim empurrões, que só esperam de você uma coisa: que você se jogue sem medo, sem expectativas, curta cada momento e viva intensamente cada capítulo novo da sua biografia.

%d bloggers like this: